Quero abrir o meu próprio negócio. O que eu faço? Conheça a estória de Antonio e Valdemar

lanchonete

É incrível como ainda existem milhares que se lançam no mundo dos negócios, achando que vão se dar bem, sem antes avaliarem a si mesmos.

Como assim?

Eu explico.

Imagine que o Antonio tenha uma loja de conveniência.

A loja é aconchegante, moderna e possui um ambiente familiar.

Nela foi instalado um bom sistema de ar condicionado. Possui cobertura em toda a área de atendimento externo.

O público é jovem, de meia idade, e de pessoas mais velhas sem filhos.

O atendimento não leva mais que quinze minutos de espera.

A internet no local é de 30 Giga bytes e as TVs de 50 polegadas estão distribuídas pela loja.

Além disso a localização da loja fica numa área privilegiada.

Todos esses fatores tornam a loja do Antonio um local bem interessante para atrair a clientela.

Ele sabe que possui diferenciais atraentes e está seguro disso.

O que ele não suspeitava é de que estes diferenciais não garantiriam o sucesso dele por muito tempo.

Mas, o Antonio estava tranquilo e não se importava com a concorrência. Não havia ninguém na região como ele.

Ele estava tão certo do que queria e de onde queria chegar que não tinha o hábito de ouvir sugestões, porque se antecipava a elas.

Um dia o Antonio desprezou um fornecedor que havia pedido à ele sugestões de como poderia melhorar os serviços prestados à ele.

Ele se perguntava: Para quê? A obrigação dele será sempre me atender bem, no mínimo da melhor forma possível. Isso é óbvio.

Antonio sorria quando clientes comiam em outro local porque as mesas de sua  loja estavam todas lotadas e havia fila de espera. Ele tinha certeza que eles não encontrariam qualidade similar ou superior a dele.

Outro detalhe, ele não atendia vendedor que chegava atrasado. Se ele não tinha como chegar mais cedo  era só se programar horas antes. E não adiantava marcar por telefone, porque para o Antonio era olho no olho.

Ele nem esquentava que do outro lado do bairro, existia uma lanchonete popular. Nessa lanchonete não havia ar condicionado, mas apenas ventiladores. As mesas não eram de madeira, apesar de todas estarem limpas e asseadas.

A lanchonete só possuía uma parte coberta com tenda.

Até que o Valdemar se esforçava bastante para tocar a sua lanchonete.

O Antonio descobriu mais tarde que os seus clientes iam comer lá quando não conseguiam entrar na loja dele.

Pois bem, o Valdemar tinha uma memória de elefante, bastava uma ou duas vezes para chamar a todos os seus clientes pelo nome.

Acredita que ele era uma simpatia de pessoa?

Ele era tão acessível que os clientes do Antonio se sentiam a vontade para dar sugestões à ele quando iam comer lá. E o interessante é que perguntavam à ele: “_Por que você não faz igual ao Antonio? Ele faz isso, aquilo, aquilo outro.”

E assim foi indo. As sugestões foram transformando a lanchonete do Valdemar. Pegaram todas as fraquezas do Antonio e avisaram o Valdemar, para que ele não cometesse os mesmos erros de atendimento que o Antonio estava cometendo.

Os fornecedores que o Antonio não atendia, foram vender para o Valdemar. O Antonio descobriu que esses vendedores, na realidade nunca se atrasavam, mas como vinham de outras cidades, era praticamente impossível atendê-lo antes das oito de uma manhã de segunda feira e num único dia da semana a cada quinze dias. Ou seja,  Antonio era um comprador exigente demais.

Acontece que o Valdemar começou abastecer com os mesmos produtos a sua lanchonete, e com preços diferenciados, porque esses vendedores conseguiram descontos  especiais.

Mas isso não preocupava o Antonio. A loja dele era linda demais e a do Valdemar, ora, era, era só mais uma lojinha bacana.

O atendimento do Antonio, na cabeça dele, era de primeira, o espaço de primeira e o ambiente descolado faziam o Antonio voar na maionese. Ele era o cara.

As garotas que o Antonio colocou na loja para trabalharem para ele eram de  parar o trânsito.

Mas o Valdemar foi esperto. Com aquele jeitinho humilde dele, foi fazendo tudo o que os clientes sugeriam para ele.

Até a comida ele conseguiu melhorar, e fez excelentes parcerias com seus fornecedores que lhe ajudaram a modernizar a sua lanchonete.

Ele criou uma pesquisa junto a clientela e obteve milhares de observações importantes para tocar com mais sabedoria o seu comércio.

Ele nunca destratou uma pessoa, nunca deixou um vendedor esperar mais de trinta minutos para ser atendido, e se não fosse conseguir atender, já avisava  para retornar em outro horário, ou marcava o pedido por telefone.

É, o Valdemar viu a sua lanchonete crescer, quem não viu ele crescer e ficar forte foi o Antonio, que da última vez que passou em frente a loja do Valdemar, nem reconheceu a antiga lanchonete.

O Valdemar conseguiu modernizar a sua lanchonete. Conseguiu instalar ar condicionado. Conseguiu trocar toda a mobília de sua lanchonete e colocar móveis de madeira. Até os telões e a internet rápida ele instalou.

Mas o interessante é que o Antonio com toda a sua modernidade parou no passado e o Valdemar com seu estilo antiquado revolucionou geral.

Em matéria de local, instalação e serviços o Valdemar conseguiu igualar-se ao Antonio.

Mas o que fez o Valdemar superar o Antonio foi saber ouvir e respeitar as pessoas.

Como o Antonio não tinha o hábito de ouvir sugestões porque se achava a última bolacha recheada do pacote, os clientes dele foram desabafar lá no Valdemar.

Como o Antonio não respeitava os vendedores e fornecedores, eles nunca ofereciam benefícios ou descontos, e aqueles que o Antonio não atendia,  vendiam mais barato lá no Valdemar só pra quebrarem o Antonio.

As garotas que o Antonio contratou, aquelas de parar o trânsito, chamavam tanta atenção, que muitos clientes passavam horas nas mesas consumindo pouquíssimos itens. Na realidade estavam ali pelas garotas.

Milhares de selfies foram feitos e despejados na rede, junto com o lucro do Antonio que estava indo pelo ralo.

O Valdemar era esperto, porque quando percebia que havia clientes esperando mais de trinta minutos em pé na fila, dava um cupom de desconto de 20% para cada um deles e o resultado é que ninguém arredava o pé.

Hoje o Valdemar veio para comprar a loja do Antonio.

Este é o resultado de quem sabe o que precisa ser feito, mas que não sabe ouvir.

Este é o desfecho de quem acha que pode ditar regras para o mercado, sem analisar o mercado.

Boa localização, tamanho, instalações, modernidade e outros fatores não são suficientes para garantir espaço no mercado.

O que faz uma empresa crescer, além de todos os detalhes mencionados acima, é o bom atendimento, é saber o que o seu cliente deseja e o que ele espera de você.

Quando você alcança um lugar de destaque, tem pouco tempo para comemorar, porque a luta será a de permanecer no topo, e sendo esnobe e indiferente como o Antonio, dificilmente uma pessoa pode chegar e permanecer no topo.

Por isso, antes de se aventurar pelo mundo dos negócios, analise se você possui em seu DNA o tesão para o trabalho que pretende realizar.

Avalie-se. Se estiver em dúvida, aprenda primeiro, para saber exatamente o que você pode fazer, que ninguém fez direito ainda.

E nada de descanso. Hoje as coisas mudam depressa.

Estão de olho em você e no que você faz e como faz. Lembre-se disso.

Leandro Tissiano

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s