Prestar atenção em pequenos detalhes, não em pequenos defeitos

 

Quando prestamos atenção aos pequenos detalhes não é o mesmo que prestarmos atenção aos pequenos defeitos. Prestamos atenção aos pequenos detalhes quando observamos os detalhes importantes que nos cercam, mas a nossa rotina insiste em nos conduzir à pensarmos e agirmos mecanicamente.

Na velocidade que estamos, pensamos muito rápido. Processamos muitas informações ao mesmo tempo, mas pensar rápido como se estivéssemos ligados no 320 volts a todo instante, poderá sufocar os nossos reais sentimentos.

O cérebro pode processar milhões de informações rapidamente, mas o lado emocional do cérebro pode ficar atrofiado porque não assimilamos com o coração as emoções que compõem as nossas vidas, que também são importantes e fazem a diferença em nossas relações.

Um exemplo é trabalhar dez, doze e até catorze horas todos os dias, realizando diversas funções diferentes, tarefas e obrigações, mas assim que o dia termina, sentimos que o nosso dia foi igual a todos os outros dias, sem graça, mecânico, robótico e sem nenhuma emoção.

Não conseguimos enxergar nada que nos faça refletir sobre o dia, sobre o que somos, o que pretendíamos para o dia e o que realizamos durante o dia.

Infelizmente as pessoas podem ser uma fonte de influência negativa ou positiva sobre outras pessoas. Ambientes, cores e perfumes também influenciam o nosso humor. Roupas e alimentos também. Que façamos boas escolhas.

Eu posso escolher começar o meu dia bem, por acordar cansado, porém animado, despertar a minha mente, embora eu ainda esteja com sono, fechar os meus olhos por cerca de cinco minutos ainda deitado, pensar profundamente em coisas positivas e meditar em como será  o meu dia. Ou posso pensar o contrário disso, me sentir péssimo e ter um péssimo dia.

Eu abro as janelas por um momento e observo as árvores e a vegetação em meu pequeno jardim antes de seguir para o trabalho. Observo o céu, inspiro devagar, sinto meu batimento cardíaco. Toco em meu corpo sentindo minhas mãos deslizando sobre os meus braços até a altura dos ombros e pescoço, enquanto observo a paisagem e procuro relaxar. Sinto os meus pés tocando o chão. Sinto o meu pisar.

Relaxo a minha mente enquanto a água vai caindo em meu corpo durante o banho. Exercito o meu olfato, aprecio a fragrância do sabonete, o perfume do xampu e a fragrância  aromática que sobe no ar.

Visto-me sentindo o toque da roupa deslizando sobre o meu corpo. Sinto a maciez, o tecido, e as fibras de minha roupa. Enquanto exercito o tato, exercito também a visão, prestando atenção nas cores, nas formas e nos contornos.

Desenvolvo a minha habilidade auditiva. Ouço os sons ao meu redor. O som do vento batendo nas árvores, o som de um pássaro, ou mesmo o som de uma música calma para começar bem o meu dia.

Ao preparar uma bebida, presto atenção nas etapas deste preparo. Ao prová-la, exercito o meu paladar novamente, sentindo se a bebida é suave, forte, encorpada, leve, amarga ou doce.

Ao entrar no meu carro, pauso por um momento. Verifico os comandos do veículo. Ligo o som e ouço algo agradável enquanto dirijo.

Quando engato a primeira marcha, olho no retrovisor, nos espelhos laterais. Verifico os cintos. Ouço o ronco do motor acelerando.

Durante o trajeto até o meu destino, estou atendo ao meu redor. Observo os outros veículos, a via de rolagem. Presto atenção às imagens que se passam em minha frente.

Ao adentrar no meu local de trabalho, cumprimento espontaneamente à todos com um sorriso. Presto atenção e reflito no que eles dirão.

Estas ações, mesmo sendo rotineiras, ganham um novo significado em minha vida.

Elas me ajudam a valorizar o milagre de eu estar vivo. Medito nos pequenos detalhes, presto atenção neles, exercito o meu cérebro. O meu pensamento é levado à crer que são novas informações, e quanto mais exercito o meu cérebro, mais se criam conexões e maior fica a capacidade de eu armazenar coisas novas e melhorar o meu raciocínio, melhorando em todos os aspectos o meu dia.

Praticar todas estas etapas mecanicamente em todos os momentos, fazem o cérebro se acomodar, dando a falsa sensação que o dia de hoje foi igual ao dia de ontem.

A vida está repleta de coisas acontecendo involuntariamente , à começar pelo corpo, através das reações químicas que ocorrem dentro de nossas células, no nosso sistema digestivo, em nosso sistema respiratório, no sistema nervoso, nos órgãos do corpo, e em nossos músculos e tecidos. A vida pulula de vida.

Prestarmos atenção nas flores, nos insetos, nos micro organismos vivos necessários à vida é surpreendente!

Interessante pensar que enquanto nos movimentamos, a terra também se movimenta. E ela se movimenta à velocidade de uma bala. E este movimento é imperceptível para nós.

A galáxia onde moramos também se movimenta. Fisicamente nunca estamos ocupando o mesmo espaço que ocupávamos à um segundo atrás, e muito menos no dia anterior, porque tudo se movimenta.

Para usufruirmos a vida plenamente e intensamente basta estarmos vivos.

Reclamar da rotina é um direito de cada pessoa, mas significa, entre outras coisas não abordadas aqui,  que o cérebro não está sendo exercitado.

Apreciar a vida é o primeiro passo para percebermos que ela é cheia de sons, imagens, cheiros, texturas cores e sabores.

Prestarmos atenção aos pequenos detalhes certamente poderá fazer toda a diferença entre agradecermos por nosso dia ou nos juntarmos as máquinas que só realizam suas funções mecanicamente, sem nenhuma emoção.

Leandro Tissiano

LOGO 150 PX VAZADA PSDFM

4 thoughts on “Prestar atenção em pequenos detalhes, não em pequenos defeitos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s