A palhacinha e o homem

circo

Ele a viu chegar em sua primeira apresentação. Não estava ainda atento devido ao barulho daquela multidão.

Entre outros rostos alegres sobre aquele palco ela dançava, ele, despercebido, pobre homem, nem se dava ao luxo de percebê-la, nada notava.

A primeira apresentação daquela jovem havia se encerrado, mas o espetáculo continuava, quando tempo depois ela se apresentaria mais uma vez.

Então ela surge no palco, vestida completamente diferente, uma roupa despojada, cheia de listras e bolinhas, e com suas partes femininas assustadoramente ampliadas. Peruca e pintura colorida, luvas e meias. Sim, era uma “palhacinha” atuando com um outro palhaço.

Naquele instante, sem saber porque, aquele homem percebeu algo diferente debaixo daquela pintura, ele sentiu algo estranho, uma conexão, uma telepatia gerada entre ele e aquela que se apresentava. Era como se já se conhecessem. A peça era muda, não havia diálogos, apenas mímicas engraçadas. E foi aquele sorriso debaixo daquela pintura que o conquistou.

Como poderia ser isso? Como sentir uma atração por uma aberração daquela? Aquele homem descobriu a mulher que existia debaixo daquela maquiagem e roupa.

Durante a apresentação, eles trocaram olhares, e ela, talvez na segurança de que ele não a reconheceria mais tarde, não se intimidou de olhar fixamente para o homem, por alguns segundos durante diversas vezes, como se o estivesse reconhecendo, mesmo dentro daquela multidão. As brincadeiras dela direcionavam seu olhar para aquele homem. A química corporal havia ocorrido entre os dois. A mulher sabe quando o homem olha diferente, com desejo e sedução, mesmo não demonstrando, porque tudo é muito rápido, discreto e intuitivo. Ela sabia que aquele homem a havia notado.

A apresentação havia terminado, e mais tarde ela surgiria fazendo outros papéis no palco, mas, com o rosto limpo, levemente pintado, contornos sobre os olhos, e que sorriso, o mesmo sorriso que o homem tinha visto antes, um sorriso encantador. E é claro, com o rosto limpo ela era mesmo linda.

Desta vez ela evitou aquele homem, talvez não quisesse se comprometer, dar a entender que por um instante, ela havia se dado ao luxo de ter flertado com ele. Talvez a maquiagem anterior que lhe cobria o rosto dava a ela a falsa sensação de coragem e segurança que ela não possuía, o fato de encarar uma pessoa pelo qual ela havia se sentido atraída.

Ou, talvez ela nem pudesse fazer isso, porque sabia que dias depois iria embora, afinal de contas, artistas circenses sabem que não podem se apaixonarem, não por pessoas comuns.

De alguma maneira, mesmo que em apenas uma noite e por apenas breves momentos, de alguma forma ela havia criado uma viagem amorosa em seu coração quando viu no meio daquela multidão um rosto e um olhar pelo qual ela havia sentido afinidade.

Naquela noite os dois adormeceram pensando na difícil possibilidade de viverem um amor incomum, e sentiram os seus corações mais quentes, transformando aquela doce e singela emoção, quase que infantil, em uma lembrança que levariam em seus corações por muito e muito tempo.

Leandro Tissiano

LOGO 150 PX VAZADA PSDFM

6 Replies to “A palhacinha e o homem”

  1. Pingback: escreversonhar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s